Por quê a telemedicina já é uma realidade no Brasil ?

“Porquê a população já tem acesso irrestrito às tecnologias necessárias para fazer a telemedicina acontecer” Fernando Cembranelli

Sem dúvida alguma, uma das tecnologias que mais vai impactar a saúde nos próximos anos é a telemedicina. Contudo, de acordo com o Conselho Federal de Medicina a Telemedicina, ou fazer consultas de forma remota, entre médicos e pacientes é uma prática proibida no Brasil, sem perspectiva de mudança nos próximos anos.

Mas, ao preparar ontem uma aula sobre Telemedicina e suas perspectivas futuras, alguns dados ficam evidentes:

  • Hoje, existem 7,22 bilhões de celulares disponíveis no mundo, superando as 7,2 bilhões de pessoas existentes no planeta
  • A telemedicina se define como o diagnóstico ou tratamento de pacientes através de tecnologia de telecomunicação

Ou seja, conforme os dispositivos móveis e as tecnologias de telecomunicação vão se desenvolvendo e se tornando cada vez mais prevalentes em nossa sociedade, mais acessível é para profissionais de saúde e pacientes fazerem uso destas tecnologias para receberem diagnóstico e tratamento de suas condições de saúde.

De forma ímpar, o WhatsApp já é utilizado na realidade de saúde brasileira, para comunicação entre profissionais de saúde e pacientes, apesar de ter inúmeras limitações do ponto de vista de segurança da informação e registro das informações.

Mais ainda, os dispositivos móveis celulares são um fenômeno sem precedentes na história da humanidade, indo de zero a mais de 7,2 bilhões de unidades em três décadas, modificando profundamente a forma como nos comunicamos, buscamos saúde e organizamos o nosso tempo.

Neste sentido, a regulação da telemedicina no Brasil é fundamental para trazer maior segurança e garantir um crescimento sustentável para este fenômeno, mas não há dúvida alguma que a telemedicina cresce no Brasil, nas mesma medida que cresce a base instalada de dispositivos móveis e  rede de tecnologia de telecomunicação.

Afinal, num país de dimensões continentais, com graves desafios de mobilidade urbana, podemos, de fato, defender que somente a interação presencial é a forma legítima de interação entre médico e paciente ?

Quer saber mais sobre as oportunidades em Telemedicina e outras áreas da saúde ?

Participe do nosso Curso: Empreendedorismo e Inovação em Saúdeque acontecerá nos dias 7,8 e 9 de Dezembro, em São Paulo. O curso téorico-prático incluirá visitas à excelentes empreendedores e startups de São Paulo e aulas com alguns dos maiores empreendedores e inovadores em saúde do país.

FAÇA PARTE DA TRANSFORMAÇÃO!

faixa-curso-empreendedorismo-saude

 

Atenciosamente,

Fernando Cembranelli

CEO Health Innova HUB

Sobre Fernando Cembranelli

CEO e Founder do Health Innova HUB, Ecossistema Digital de Inovao em Sade. Mdico formado pela UNIFESP, com Residncia Mdica, em Administrao Hospitalar, pelo Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da USP e MBA com foco em Healthcare Management pela Duke University Foi Co-fundador do EmpreenderSade, Gerente do Centro de Inovacao do Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da USP e Partner da Live Healthcare (Portal Sade Business, Sade Business Frum e Healthcare Innovation Show).

1 Resposta

  1. Acredito que o CFM assume uma posição muito conservadora ao ser contra a regulamentação da telemedicina no Brasil. É um fenômeno mundial e peça-chave na busca da sustentabilidade do nosso sistema de saúde. Melhor seria assumir uma postura pró-ativa e ser protagonista do que querer bloquear a qualquer custo e ver iniciativas surgirem a revelia, como o caso da oftalmologia em Porto Alegre, com desfechos que qualificam a atenção à saúde da população brasileira.

Ola, deixe seu comentário para nossa comunidade!