HIHUB MUST READ: BAD BLOOD: Segredos e mentiras numa startup do Vale do Silício!

Uma das histórias mais fantásticas de inovação, fraude e intimidação, na área de saúde, uma estudante que lança uma startup, que chega a valer USD 10 Bilhões, sem um produto validado, a cobertura passiva da mídia e um culto incomparável a Steve Jobs, fazem com que este livro mereça ser lido e sua história discutida, por todas aqueles que se interessam por inovação em saúde e que, de fato, querem construir soluções duradouras e sustentáveis, em saúde.

Elizabeth Holmes 3.jpg

Foto: Elizabeth Holmes

Num dos livros mais intensos, que li recentemente, a ascensão e queda da Theranos, bem como de sua fundadora Elizabeth Holmes, põe em cheque não somente a credibilidade da fundadora, mas também os fundamentos que levaram excelentes investidores a colocarem bilhões, numa empresa que nunca publicou papers científicos, comprovando a eficácia e segurança da tecnologia, de que tanto se orgulhava.

Mais impressionante ainda, é como a aproximação com figuras públicas como Henry Kissinger, ex-Secretário de Estado Norte-Americano, ajudaram a passar a imagem de uma empresa sólida, e a parceria com a Walgreens indicava que a empresa estava pronta pra disrupção, na área de saúde.

Henry Kissinger.jpg

Foto: Henry Kissinger

Na realidade, Henry Kissinger e as demais figuras políticas envolvidas com a startup, não tinham background e conhecimento na área da saúde, a parceria com a Walgreens foi motivada por FOMO, ou Fear of Missing Out, ou seja, literalmente pelo motivo da Theranos fazer parceria com a CVS e o Walgreens perder esta oportunidade e NÃO porquê os dados demonstravam um racional sólido para prosseguir com a parceria.

Mais grave de tudo é que não foi o FDA, que descobriu e coibiu a Theranos, muito pelo contrário, de acordo com o livro, o fato de terem muitas pessoas com fortes conexões políticas na empresa, favoreceu a Theranos, sendo que a empresa usava de intimidação para que ex-funcionários e opositores não revelassem o que sabiam sobre a empresa, fazendo que empregados assinassem um NDA, non-disclosure agreement, que os impedia de falar sobre os erros que a empresa estava cometendo.

Somente quando uma ex-funcionária da empresa, decide denunciar a Theranos, mesmo com o risco de ser processada, é que a gravidade da fraude da Theranos passa a ser descoberta, que literalmente, tinha levado um protótipo a mercado, sem validação científica, com resultado de exames que apresentavam, grande variação e não seguiam os protocolos de segurança e qualidade estabelecidos pela Sociedade Americana de Patologia Clínica.

Theranos Walgreens.jpg

                               Foto: Theranos, no Walgreens

Neste sentido, enquanto todas as matérias eram favoráveis à Theranos, um único repórter do Wall Street Journal, que posteriormente se tornou o autor do livro “Bad Blood”, John Carreyrou, teve a coragem e a audácia de investigar a Theranos, mesmo quando o dono do Wall Street Journal, Rupert Murdoch, havia investido USD 100 milhões, na startup, investimento que posteriormente ele ZEROU sua posição e aceitou 100% de perda, sem jamais interferir no trabalho de John Carreyrou.

Uma história simplesmente incrível, assustadora e absolutamente necessária de ser conhecida e debatida por empreendedores e inovadores da área de saúde.

PREPAREM-SE: Resenha será lançada na Segunda-Feira (27/08/18)!

Vídeo: Autor do livro “Bad Blood“, explora a história da Theranos

Vídeo: What’s next for Theranos and its founder Elizabeth Holmes?

Uma leitura imperdível,

Fernando Cembranelli, MD/MBA

 

Sobre Fernando Cembranelli

Médico formado pela UNIFESP, com Residência Médica, em Administracao Hospitalar, pelo Hospital das Clínicas da FMUSP e MBA com foco em Healthcare Management pela Fuqua School of Business (Duke University). Co-fundador do EmpreenderSaúde, Ex-gerente do Centro de Inovacao do HCFMUSP, partner da Live Healthcare Media e CEO do Health Innova HUB (Health Innovation HUB)

Ola, deixe seu comentário para nossa comunidade!