Dicotomia da Sa├║de, Flamengo fazendo gols no mesmo lugar que pessoas morriam. O que esperar?

Essa realidade me causa arrepios. Realmente o Brasil ├ę o Pa├şs da piada pronta. Isso, pois a inobserv├óncia das medidas preventivas e dos regramentos sanit├írios determinados pelo poder p├║blico podem fazer com que o empregador n├úo s├│ se veja diante de uma confronta├ž├úo sob a perspectiva humanit├íria, como tamb├ęm trabalhista, e, n├úo menos raro, diante de figuras criminais.


Em tempos de tanta incerteza, uma coisa ├ę certa: uma s├ęrie de cuidados adicionais devem ser adotados pelas empresas que se preparam para a futura retomada de atividades p├│s-distanciamento social. Os seus representantes legais, executivos e os respons├íveis pela condu├ž├úo e gerenciamento das ├íreas de compliance e, principalmente, de Recursos Humanos, precisam ter claro que o retorno deve ocorrer com a observ├óncia de novas regras sanit├írias e em um ambiente que mitigue os riscos de contamina├ž├úo dos funcion├írios.
O diagnóstico está dado?.

├Ç pandemia tem provocado os representantes dos representantes dos setores de sa├║de p├║blica e privada para saber quem ir├í pagar a conta do coronav├şrus.
Hospitais reclamam do esvaziamento das consultas, exames e cirurgias eletivas como se os pacientes tivessem escolha nesses ├║ltimos 3 meses. Na minha jornada como especialista em direito e sa├║de para consumidores contabilizei a perda de 12 clientes que tiveram que buscar o acesso ao tratamento emergencial e acabaram falecendo ap├│s contamina├ž├úo em fase de recupera├ž├úo de cirurgia ou tratamento.

Mudan├žas culturais est├úo em jogo como a do di├ílogo e a efetiva integra├ž├úo entre as esferas p├║blica e privada; conscientiza├ž├úo da popula├ž├úo para a import├óncia da preven├ž├úo e promo├ž├úo ├á sa├║de, al├ęm do conhecimento do funcionamento do sistema e; obviamente, novas pol├şticas de remunera├ž├úo e financiamento.

Medicina reativa n├úo ter├í mais espa├žo no novo amanh├ú. Ou seja, o paciente s├│ procura o m├ędico quando ele j├í est├í com algum sintoma. Se levarmos em considera├ž├úo que quase 70% dos brasileiros n├úo t├¬m conv├¬nio m├ędico, a busca por ajuda pode acontecer muito tarde.


├Ç pandemia nos trouxe , a tend├¬ncia de uma rela├ž├úo m├ędico-paciente se mais colaborativa. J├í que com as informa├ž├Áes muito mais acess├şveis, os m├ędicos deixar├úo de ser os ├║nicos detentores do conhecimento.
Cordialmente

Adriana Leocádio Especialista em saúde e marketing

@leocadioadri

Ola, deixe seu comentário para nossa comunidade!