Afinal, por quê não estamos avançando em saúde mental ?

 Todos os anos diferentes problemas em saúde chamam a nossa atenção, enquanto novas soluções trazem a promessa de aliviar ou erradicar completamente doenças ou condições, demonstrando sem sombra de dúvidas o poder transformador da tecnologia.

Contudo, 2018 tem sido um ano atípico. Duas mortes no Colégio Bandeirantes, seguidas pela jovem morte de um jovem médico anestesista, o jovem DJ Aviccii e na última semana, o famoso  repórter da CNN Anthony Bourdain e, agora, a renomada estilista Kate Spade. Todos vítimas de suicídio.

Afinal, o que leva alguém a tirar a própria vida e o que os suicídios descritos acima representam para nossa sociedade e para nós mesmos ?

Por quê adoramos falar de inteligência artificial, block chain, apps e como todas estas soluções vão revolucionar nossa saúde, mas como falhamos em reconhecer que estas mesmas soluções são incapazes de salvar jovens e adultons, em risco de tirar suas próprias vidas.

Se por um lado, é compreensível que jovens vivendo o stress do vestibular, possam ter aí a motivação que os levaram a cometer tal ato, mas quais são os fatores de risco que levam um jovem médico a cometer esta atitude e porquê profissionais considerados bem sucedidos tomariam a decisão de tirar suas próprias vidas ?

Quando alguém se suicida no metrô, esta notícia não é divulgada pois aparentemente aumentaria as tentativas de suicídio. No caso do Colégio Bandeirantes, esta notícia só foi amplamente debatida pelo fato do Colégio ter corajosa e corretamente publicado uma carta, em que expôs a situação para toda a sociedade, a fim de explicar o que estava acontecendo e as medidas que estavam sendo tomadas.

Como ex-aluno do Colégio Bandeirantes e por ter vivido momentos em que estava em risco, tenho plena convicção que a maior vitória que podemos ter para vencer este tabu, é estarmos abertos ao diálogo, à discussão, a ter oportunidades de buscar quem nos ajude, sem preconceito, nem que isto signifique dar um passo para trás e, no meu caso, assumir que não somos um super-herói, mas podemos e devemos respeitar nossos limites.

Acima de tudo, devemos pedir e aceitar ajuda e, neste caso, os meios digitais podem ser uma excelente ferramenta para encontrar auxílio, aonde quer que você esteja.

Deixemos o tabu de lado e passemos a discutir abertamente este tema,

Fernando Cembranelli, MD/MBA

Founder y CEO Health Innova HUB
Health Innova HUB sem logo

 

 

Sobre Fernando Cembranelli

CEO e Founder do Health Innova HUB, Ecossistema Digital de Inovao em Sade. Mdico formado pela UNIFESP, com Residncia Mdica, em Administrao Hospitalar, pelo Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da USP e MBA com foco em Healthcare Management pela Duke University Foi Co-fundador do EmpreenderSade, Gerente do Centro de Inovacao do Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da USP e Partner da Live Healthcare (Portal Sade Business, Sade Business Frum e Healthcare Innovation Show).

Ola, deixe seu comentário para nossa comunidade!