Por quê a telemedicina já é uma realidade no Brasil ?

“Porquê a população já tem acesso irrestrito às tecnologias necessárias para fazer a telemedicina acontecer” Fernando Cembranelli

Sem dúvida alguma, uma das tecnologias que mais vai impactar a saúde nos próximos anos é a telemedicina. Contudo, de acordo com o Conselho Federal de Medicina a Telemedicina, ou fazer consultas de forma remota, entre médicos e pacientes é uma prática proibida no Brasil, sem perspectiva de mudança nos próximos anos.

Mas, ao preparar ontem uma aula sobre Telemedicina e suas perspectivas futuras, alguns dados ficam evidentes:

  • Hoje, existem 7,22 bilhões de celulares disponíveis no mundo, superando as 7,2 bilhões de pessoas existentes no planeta
  • A telemedicina se define como o diagnóstico ou tratamento de pacientes através de tecnologia de telecomunicação

Ou seja, conforme os dispositivos móveis e as tecnologias de telecomunicação vão se desenvolvendo e se tornando cada vez mais prevalentes em nossa sociedade, mais acessível é para profissionais de saúde e pacientes fazerem uso destas tecnologias para receberem diagnóstico e tratamento de suas condições de saúde.

De forma ímpar, o WhatsApp já é utilizado na realidade de saúde brasileira, para comunicação entre profissionais de saúde e pacientes, apesar de ter inúmeras limitações do ponto de vista de segurança da informação e registro das informações.

Mais ainda, os dispositivos móveis celulares são um fenômeno sem precedentes na história da humanidade, indo de zero a mais de 7,2 bilhões de unidades em três décadas, modificando profundamente a forma como nos comunicamos, buscamos saúde e organizamos o nosso tempo.

Neste sentido, a regulação da telemedicina no Brasil é fundamental para trazer maior segurança e garantir um crescimento sustentável para este fenômeno, mas não há dúvida alguma que a telemedicina cresce no Brasil, nas mesma medida que cresce a base instalada de dispositivos móveis e  rede de tecnologia de telecomunicação.

Afinal, num país de dimensões continentais, com graves desafios de mobilidade urbana, podemos, de fato, defender que somente a interação presencial é a forma legítima de interação entre médico e paciente ?

Quer saber mais sobre as oportunidades em Telemedicina e outras áreas da saúde ?

Participe do nosso Curso: Empreendedorismo e Inovação em Saúdeque acontecerá nos dias 7,8 e 9 de Dezembro, em São Paulo. O curso téorico-prático incluirá visitas à excelentes empreendedores e startups de São Paulo e aulas com alguns dos maiores empreendedores e inovadores em saúde do país.

FAÇA PARTE DA TRANSFORMAÇÃO!

faixa-curso-empreendedorismo-saude

 

Atenciosamente,

Fernando Cembranelli

CEO Health Innova HUB

Sobre Fernando Cembranelli

Médico formado pela UNIFESP, com Residência Médica pelo Hospital das Clínicas da FMUSP e MBA com foco em Healthcare Management pela Fuqua School of Business (Duke University). Co-fundador do site EmpreenderSaúde, sócio da Live Healthcare Media e CEO do Health Innova HUB/Berrini Ventures (Hub de Inovação em Saúde e Aceleradora de Startups de Saúde Digital, líderes no Brasil)

1 Resposta

  1. Acredito que o CFM assume uma posição muito conservadora ao ser contra a regulamentação da telemedicina no Brasil. É um fenômeno mundial e peça-chave na busca da sustentabilidade do nosso sistema de saúde. Melhor seria assumir uma postura pró-ativa e ser protagonista do que querer bloquear a qualquer custo e ver iniciativas surgirem a revelia, como o caso da oftalmologia em Porto Alegre, com desfechos que qualificam a atenção à saúde da população brasileira.

    Curtir

Os comentários estão encerrados.