Aceleração de Startups e O Problema que a Bayer e Grandes Empresas Precisam Superar!

Em sua 5a edição, o programa Bayer Grants4Apps irá selecionar 5 startups no mundo inteiro para serem aceleradas, recebendo subsidio de 50 mil euros, coaching e supervisão local no escritório da empresa em Berlim.

Camila Navarro, gerente de inovação digital da Bayer Brasil, explica que a farmacêutica entendeu que colaboração entre empresa e startups é o que promove novos negócios e soluções para problemas de diversos níveis, sendo essencial para se manter na vanguarda do mercado.

Bayer
Imagem 1: Vitameter, uma das vencedoras do programa

 

O programa de aceleração procura por soluções digitais na área da saúde, auxiliando profissionais e/ou pacientes. Também estão em vista produtos que promovam o diagnóstico ou prevenção de doenças, ou ainda que melhorem os processos no setor farmacêutico.

Apesar da grande capacidade de desenvolvimento proporcionada pela Bayer e outras tantas grandes empresas , o que vemos é um problema já rotineiro no ecossistema: desenvolver e apostar em empresas já maduras, com soluções consolidadas.

Acelerar startups em fases iniciais ainda é um problema não só no Brasil, mas no mundo inteiro.

Isso talvez demonstre a imaturidade das grandes empresas, a falta de coragem em se arriscar em soluções com grande potencial, além de trazer a tona o medo que transparece em situações como essa, demonstrando que apesar do grande patrimônio já estabelecido, renome mundial e receitas na casa dos bilhões, essas multinacionais enxergam uma dinâmica nunca antes vista, de constante evolução nos negócios, disrupção batendo na porta e transformação de todos os setores.

Esse panorama foi apresentado pelo estudo sobre Corporate Ventures no Brasil realizado pela Harvard Angels Brazil (Estudo sobre Corporate Ventures no Brasil! (Harvard Angels Brazil) e é claro como essa concorrência tão inovadora e transformadora vem tirando o sono de muitos setores empresariais.

IMG_20170316_203222914

O que nos resta é manter essa dinâmica, fortalecendo o ecossistema e consolidando esses novos negócios de forma profissional e democrática. O movimento inovador e disruptivo não tem retorno e é exponencial, e com certeza fará (e já está fazendo) com que essas empresas reflitam e se atualizem nesses novos pensamentos e nessa direção.

E você? Acredita que é necessário acelerar startups em fases iniciais? Qual estratégia você adotaria?

 

Atenciosamente,

Felipe Ricci

HIHub Leader Development Program

felipe.ricci@hihub.co