AO VIVO: A Clínica do Amanhã – A Internet das Coisas na Saúde! (18/4, às 17 horas)

No dia 18/4, às 17 horas, faremos um excelente Hangout, com Mauro Luis Ferreira,  sobre o papel crescente da Internet das Coisas (IOT) na saúde, em especial na conexão entre médicos e pacientes e no gerenciamento de doenças crônicas.

“Segundo estimativas da Goldman Sachs 200 bilhões de dólares podem ser economizados com a utilização de IOT na saúde, na melhora do gerenciamento das doenças crônicas”.

As três categorias principais com impacto no curto prazo, segundo a Goldman Sachs são:

  1. Diagnóstico e acompanhamento remoto de pacientes
  2. Tecnologia para tele saúde
  3. Plataformas que ajudam os pacientes a mudarem hábitos de vida

Assista este AO VIVO:

(Parte I)

(Parte II)

Algumas das questões abordadas serão:

Qual o custo da Saúde ?

Os custos da saúde vêm crescendo em todo o mundo principalmente pelo envelhecimento da população e o aumento vertiginoso das doenças crônicas, tanto nos países desenvolvidos como nos em desenvolvimento

“Como melhorar o atendimento a essa população crescente apesar das dificuldades financeiras e do aumento crescente dos custos? “

É unanimidade entre os analistas que a única maneira de reduzir os custos e melhorar o atendimento é através de ações de engajamento e empoderamento dos pacientes, especialmente os pacientes com doenças crônicas.

Engajamento dos pacientes

Engajar os pacientes é dividir a decisão em tratar e como tratar entre o paciente, o médico e os serviços de saúde. Monitorar conjuntamente os seus sintomas, os resultados de seus exames, a sua atividade física que é reconhecidamente como parte importante desse processo.

Os pacientes estão exigindo um serviço mais sofisticado, conveniente, transparente, acessível e personalizado.

Os pacientes estão percebendo a flexibilidade que a tecnologia traz para seus cuidados. Cada vez mais, eles estão dispostos a ser monitorado sem fio para suas condições, e consideram receber tratamentos médicos tradicionalmente hospitalares, como a quimioterapia, em casa. A obtenção de leituras de dispositivos como eletrocardiogramas, marcapassos ou desfibriladores, podem agora ser feita através de um telefone celular e enviadas a um serviço médico.

Como grandes empresas startups estão trabalhando para atuar nesse mercado

Algumas empresas de “devices” já se conscientizaram que o monitoramento é o elemento central da criação de valor. Vamos discutir um pouco o que essas empesas já disponibilizam no mercado para monitoramento de doenças crônicas e idosos.

Outras empresas fora do setor de saúde perceberam o potencial e estão trabalhando para terem participação importante nesse novo mercado.

Assista este AO VIVO:

(Parte I)

(Parte II)

Atenciosamente,

Fernando Cembranelli

CEO BV/HUB de Inovação em Saúde

fernando@hihub.co

 

Sobre Fernando Cembranelli

Médico formado pela UNIFESP, com Residência Médica pelo Hospital das Clínicas da FMUSP e MBA com foco em Healthcare Management pela Fuqua School of Business (Duke University). Co-fundador do site EmpreenderSaúde, sócio da Live Healthcare Media e CEO do Health Innova HUB/Berrini Ventures (Hub de Inovação em Saúde e Aceleradora de Startups de Saúde Digital, líderes no Brasil)