Por que 2017 será um ano excepcional para os empreendedores em saúde ?

O ano mal começou e temos inúmeras razões para crer que este ano será excepcional para os empreendedores em saúde, em especial na área digital.

Abaixo, estão sete motivos para isso:

  1. Os investimentos em digital health estão crescendo ao redor do mundo, tendo atingido USD 4,0 bilhões em 2016, nos Estados Unidos
  2. Os investimentos em soluções inovadoras em saúde no Brasil ainda são MUITO baixos, e a GRANDE MAIORIA dos fundos de investimento locais, está à procura de investimentos nesta área.
  3. Com 75% da população dependente do SUS, acesso à saúde é uma das maiores oportunidades do setor, com startups como Consulta do Bem, Dr. Já, Hippo Drs., Dr. Consulta, Policlínica Granato crescendo em grade velocidade
  4. A penetração da saúde digital no Brasil é incrivelmente baixo, sendo que enquanto no Estados Unidos 25% da população já utiliza algum tipo de wearable, a penetração ainda não chega a 5%
  5. O mercado brasileiro de startups de saúde está atraindo empreendedores de maior qualidade, que estão se dedicando em tempo integral ao seu negócio ou serviço, mas ainda sim, deslanchar uma startup de saúde, requer tempo, muito investimento e principalmente resiliência
  6. Com a evolução do cenário internacional, a indústria farmacêutica local já está buscando conhecer e se conectar com as startups mais promissoras do mercado local, dentro da visão que no futuro próximo, a solução digital será parte integral do tratamento farmacológico. A startup Dr. Cuco, que auxilia pacientes a lembrar de tomar medicamentos, é um excelente exemplo disso.
  7. Com o envelhecimento da população e uma população mais velha que usa cada vez mais smartphones, a oportunidade e a necessidade de desenvolver soluções específicas para este público só aumentará. No ano passado, tive a oportunidade de participar da Conferência Aging 2.0, em São Francisco, e é muito impressionante observar o nascimento de uma comunidade digital em saúde, voltada para a terceira idade. O destaque desta conferência foi a startup Stack, cujo CEO foi da Tesla, e desenvolveu uma lâmpada com IOT, capaz de detectar queda de movimento. Apesar da lâmpada não ter sido projetada para isso, esta é uma das oportunidades que eles estão perseguindo

Contudo, para isso acontecer, o que precisa melhorar ?

  1. Precisamos de mais empreendedores, CEOs que sejam empresários e queiram construir negócios realmente grandes. Muita gente no Brasil, não quer abrir mão do seu negócio, não quer trazer investidores, e com isso fica com negócios muito pequenos, que acabam não tendo o impacto que poderiam
  2. É necessário MUITO capital para desenvolver projetos realmente de impacto e disruptivos em saúde. Haja visto o Dr. Consulta, que já levantou mais de USD 20 milhões e agora está crescendo sua rede significativamente. Na saúde digital, temos a Pixeon, que levantou capital com a Intel Capital, mas nenhuma solução de aplicativo ou gestão da saúde.
  3. Desenvolver um excelente produto, leva tempo, requer muitos recursos e EXCELENTES pessoas. É fundamental para a saúde atrair pessoas excelentes de outras áreas. Um caso recente, é a CEO Lígia Cardoso, da startup de fonoaudiologia Fófuuu. Antes de entrar na startup, ela foi investment banker em Londres e, posteriormente, investidora-anjo no Brasil. Esse mix de talentos e habilidades é fundamental para construir grandes empresas.

Atenciosamente,

Fernando Cembranelli

CEO BV/Hub de Inovação em Saúde

fernando@hihub.co

Sobre Fernando Cembranelli

Médico formado pela UNIFESP, com Residência Médica pelo Hospital das Clínicas da FMUSP e MBA com foco em Healthcare Management pela Fuqua School of Business (Duke University). Co-fundador do site EmpreenderSaúde, sócio da Live Healthcare Media e CEO do Health Innova HUB/Berrini Ventures (Hub de Inovação em Saúde e Aceleradora de Startups de Saúde Digital, líderes no Brasil)