As lições de Coritiba e Atlético Paranaense às inovações em saúde: uma disrupção necessária!

Olá,

Tudo bem? Neste final de semana, Atético Paranaense e Coritiba se recusaram a jogar por decisão da Federação Paranaense de Futebol, de não permitir a transmissão do jogo via You Tube e Facebook.

coritiba-e-atletica-paranaense

O impedimento levou os dois times a enfrentar não somente à Federação Paranaense de Futebol, mas também a poderosa Rede Globo, que teve seu modelo diretamente atacado nesta ofensiva.

Na área de saúde, o enfrentamento e diálogo com os  Conselhos é igualmente imprescindível, pois muitas das inovações tecnológicas, como a telemedicina são barradas por razões que contradizem o senso comum.

A telemedicina tem tido um crescimento vertiginoso nos Estados Unidos e grandes empregadores oferecem rotineiramente para seus colaboradores, como forma de reduzir custos.

Vídeo: Transmissão do jogo (cancelado) de Coritiba e Atlético Paranaense (20/02/17)

Existem inúmeros estudos demonstrando sua efetividade, segurança e qualidade. Enquanto isso, no Brasil, as evidências ao redor da telemedicina ficam em segundo plano.

Ontem, Coritiba e Atlético Paranaense nos ensinaram uma lição. Que não nos esqueçamos disso!

Vídeo: Fernando Cembranelli, CEO BV/Hub de Inovação em Saúde, analisa os fatos

Atenciosamente,

Fernando Cembranelli

CEO BV/Hub de Inovação em Saúde

fernando@berriniventures.com

Sobre Fernando Cembranelli

Médico formado pela UNIFESP, com Residência Médica pelo Hospital das Clínicas da FMUSP e MBA com foco em Healthcare Management pela Fuqua School of Business (Duke University). Co-fundador do site EmpreenderSaúde, sócio da Live Healthcare Media e CEO do Health Innova HUB/Berrini Ventures (Hub de Inovação em Saúde e Aceleradora de Startups de Saúde Digital, líderes no Brasil)