As lições do livro “Finanças para Consultório”, de Francinaldo Gomes

Assista à entrevista AO VIVO com o Dr. Francinaldo Gomes, via You Tube, dia 22/02, às 19 horas, sobre As lições do livro “Finanças de Consultório”. Cadastre-se: AQUI

1) Qual sua motivação para escrever este livro ?
Foi constatar que os profissionais da saúde concluem a faculdade sem terem adquirido nenhum conhecimento de finanças e gestão e assumem o investimento de maior risco existente no mercado que é a criação de um consultório (negócio próprio). E também mostrar aos colegas que a conquista, a manutenção e a ampliação do sucesso na carreira não depende somente da qualificação técnica. Hoje, para conquistar e manter a sustentabilidade do consultório os profissionais da saúde precisam ter também conhecimento nas áreas de finanças, marketing e gestão.

2) Quais são os principais desafios que os profissionais de saúde enfrentam nesta área ?
O principal desafio é livrarem-se da “certeza errada” que, o fato de serem profissionais da saúde, implica em não se envolverem com a gestão financeira de seus consultórios e clínicas, deixando esta tarefa tão importante nas mãos de terceiros, tais como do contador, do administrador ou mesmo da secretária.
Outro desafio é entenderem que o consultório é uma empresa e precisa ser gerido como tal. Para isso, o profissional da saúde precisa pensar e agir como empresário para garantir a sobrevivência de seu consultório.

3) Quais são as medidas simples que podem trazer um grande resultado para as finanças do consultório?
A primeira medida é saber a viabilidade de montar um consultório. Muitos profissionais da saúde montam seus consultórios serem terem um plano de negócios. Sem informações como fluxos de caixa e custo do capital, não há como saber se o investimento será viável.
A segunda medida é calcular corretamente o preço dos serviços prestados, principalmente o preço de uma consulta. Sem este conhecimento não há como saber se o consultório está sendo lucrativo e também quais fontes de receita (pacientes de convênio ou particulares) estão sendo mais lucrativos pro consultório. Com isso grande parte dos horários do consultório podem estar sendo ocupados por fontes pouco lucrativas ou mesmo que estejam dando prejuízo.
Por último, é preciso saber qual o regime tributário mais adequado para o consultório para que não se pague tributos em excesso. Dependendo do impacto da folha de pagamento sobre o faturamento pode ser mais vantajoso usar o regime Simples Nacional ao invés do Lucro Presumido. Se forem pagos tributos em excesso isso implicará necessariamente em aumento nos gastos e queda na lucratividade.

4) O que é necessária para ter um consultório de sucesso?

É necessário conhecimento, planejamento e, principalmente, dedicação. É necessário conhecimento nas áreas de finanças e gestão para poder orientar os profissionais de apoio (contador, administrador e secretária) de forma que todos trabalhem buscando o mesmo objetivo. É necessário planejamento para determinar a viabilidade do consultório e a eficiência na gestão financeira. É necessário dedicação para saber o rumo a ser tomado e para lidar com os inúmeros obstáculos inerentes a qualquer negócio próprio. Sem estes três ingredientes há grande chance de os profissionais da saúde terem que trabalhar para sustentarem seus consultórios.

 5) Qual a principal mensagem que você quis passar no livro para quem ter um consultório financeiramente saudável ?
A mensagem de que é perfeitamente possível para os profissionais da saúde, gerirem financeiramente seus consultórios de forma que possam diagnosticar a situação financeira, otimizarem seus resultados, lucrar mesmo em cenários desfavoráveis e, finalmente, alcançarem a sustentabilidade.

 6) Quais os principais erros que os médicos, particularmente, cometem na gestão financeira de seus consultórios?
Pela falta de conhecimento, os médicos cometem uma série de erros na gestão financeira de seus consultórios.
O principal erro é misturar as contas pessoais com as do consultório. Este erro faz com que o médico não saiba se ele é quem sustenta o consultório ou se o consultório é que o sustenta.
O segundo erro é achar que a busca por lucro corrompe a atividade médica. Este erro faz com que o médico tenha dificuldade em precificar seus serviços e também em controlar os gastos do consultório.
O terceiro erro é deixar a gestão financeira do consultório nas mãos do contador, do administrador ou mesmo da secretária. Estes profissionais são essenciais para o sucesso do consultório, mas o médico é quem deve estar a frente da gestão financeira do consultório.

7) Vc acha que as disciplinas de finanças e gestão deveriam fazer parte do currículo dos profissionais da saúde?
Com certeza. Para fazer a adequada gestão financeira de um consultório não é preciso cursar uma faculdade de economia ou mesmo de administração. É preciso ter conhecimento básico de finanças e gestão. Um consultório bem gerido financeiramente irá crescer e com isso irá gerar empregos, consumir produtos, utilizar mão de obra e poderá oferecer serviços de qualidade a preços cada vez mais baixos beneficiando toda a sociedade e, principalmente, os pacientes. Portanto, a adequada gestão financeira de um consultório tem um papel muito importante no bem estar social e em toda a economia. Daí a importância destas disciplinas na formação dos profissionais da saúde.

Assista à entrevista realizada com Dr. Francinaldo Gomes sobre “Onde investir em 2017?”:
Data de lançamento do livro: 16/03/2017
Local: Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês
Horário: 14-18 horas

Sobre Fernando Cembranelli

Médico formado pela UNIFESP, com Residência Médica pelo Hospital das Clínicas da FMUSP e MBA com foco em Healthcare Management pela Fuqua School of Business (Duke University). Co-fundador do site EmpreenderSaúde, sócio da Live Healthcare Media e CEO do Health Innova HUB/Berrini Ventures (Hub de Inovação em Saúde e Aceleradora de Startups de Saúde Digital, líderes no Brasil)